20 de fev de 2011

Pássaro que parte deixando a água limpa - Japão


"Pássaro que parte deixando a água limpa"

Este é o ditado popular japonês que ensina sobre a boa maneira na hora de partir. O homem deve seguir o exemplo das aves aquáticas que, ao partirem, sempre deixam as águas  onde se alimentaram sem as sujeiras.

Há seis meses guardo um comunicado que achei numa revista sobre as principais responsabilidades de quem vai regressar ao seu país de origem, e este ditado (acima) foi o que me chamou atenção. O povo japonês é tão educado e detalhista que, até para orientar sobre questões burocráticas e práticas, eles conseguem ser poéticos e sutis (sentirei saudades disso também). E o informativo continua assim:


Se você se prepara para deixar o país, então não deixe de:

- Pagar o que resta da parcela do imposto municipal
- Cancelar o seguro de saúde
- Vender seu carro ou mandá-lo para empresas que amassam o veículo
- Pagar o que resta do imposto sobre veículos
- Transferir os documentos do carro ou dar baixa
- Pagar para uma empresa de reciclagem retirar do apartamento a televisão, a máquina de lavar e o ar condicionado, se for o caso de jogá-los
- Ligar para a prefeitura para pedir a retirada do "sodai gomi", os lixos grandes como móveis, fogão, carpetes, camas, edredons, que não podem ser jogados como lixo comum
- Pedir o cancelamento dos serviços de água, luz, gás, telefone e acertar as contas finais
- Acertar com a imobiliária o dia de saída e o aluguel final

E o comunicado continua...
Se você não tem dinheiro para cumprir com todas as obrigações seja sincero e consulte cada órgão ou a empresa responsável.

Com tudo resolvido, você parte como as aves aquáticas que, deixam as águas limpas e, como o bom brasileiro, não foge às responsabilidades! (aqui termina o comunicado)

Isso mesmo! Você leu: "como o bom brasileiro"!
Esse comunicado também foi feito no idioma japonês, e na língua portuguesa escreveram só a nossa nacionalidade (mesmo eles sabendo que aqui no Japão também moram famílias de filipinos, chineses, coreanos, americanos, russos e peruanos) :(
Mas, como nós brasileiros somos a maioria, então imagino que a "nossa gente" deve ter dado "mais trabalho", é uma questão de proporção, aí pagamos o pato.

Claro que se essas mensagens estão escritas assim é porque teve muito brasileiro que foi embora deixando suas dívidas por aqui, principalmente na época da última crise econômica (que ainda deixa rastros), onde muitas famílias tiveram que sair correndo literalmente porque não havia mais emprego. Tem gente que simplesmente fechou o apartamento do jeito que estava (com tudo) e foi embora, assim como muita gente também jogou seus lixos em locais proibidos como, por exemplo, deixar seus móveis na calçada do condomínio para "alguém" levar.

Esse comportamento deve ter sido provocado pelo desespero ou pela inexplicável falta de educação dessas famílias que, mais uma vez, contribuíram para manchar mais um pouco a imagem dos brasileiros por aqui. Porém, não podemos nos esquecer que uma boa parte dos nossos compatriotas saíram deixando as águas limpas.

Penso que sair do Japão definitivamente e retornar ao Brasil é como se despedir de um anfitrião que nos tratou muito bem e que nunca nos deixou faltar nada enquanto moramos na sua casa. Você teria coragem de sair da casa de um amigo ou parente, onde dormiu, conseguiu emprego, se alimentou, alimentou seus filhos, melhorou de vida e recebeu atenção, deixando dívidas e a casa suja?

Para mim é a mesma coisa.
Por mais que nos sintamos em casa, não podemos nos esquecer que aqui não é o nosso lar. Estamos no país de pessoas que são metódicas (e devem ser assim mesmo) e que têm suas próprias regras. Portanto, respeitemos. Afinal, também ficaríamos tristes ao saber que os japoneses que moram no Brasil deixaram as nossas águas sujas.


O comunicado foi retirado da revista Bons Negócios

18 de fev de 2011

Existem coisas que vou morrer tentando entender

Estou com tantas coisas na minha cabeça para escrever aqui e dividir com vocês, que nem vou me preocupar com uma introdução politicamente correta. rs

Estava respondendo a um e-mail de uma querida amiga e, quando dei por mim, estava literalmente desabafando! Quando percebi que um simples e-mail estava se transformando num desabafo, num questionamento, pensei em compartilhar com vocês uma coisa que me incomoda e que foi o tema central de uma verdadeira Bíblia que escrevi pra ela:

"Porque as pessoas têm tanta necessidade de possuir muitos amigos?"

Acho que vou morrer tentando entender porque muitas pessoas fazem tanta questão de colecionarem colegas, os chamando de amigos verdadeiros.

Nunca escondi de ninguém que sou uma pessoa de poucos amigos (acho que todo mundo também tem poucos amigos) e me sinto bem assim, porém o que me incomoda é o incômodo que causo nas pessoas quando digo isso. Elas olham pra mim com aquela cara de: "ela se aaacha!!!"

Assim como li no blog da Tuka, mostro no blog uma parte boa e verdadeira de mim, mas também tenho um outro lado (como todo ser humano). O lado da intolerância e da exigência pela qualidade em tudo, principalmente relacionamentos. Não pensem que me vanglorio, por exemplo, de ver que tenho muuuuuitos seguidores no meu blog. Afinal nem todos são assíduos e tem muitos que só vieram aqui uma vez. Nunca escondi que não gosto de quantidade, mas sim de qualidade. Por isso prezo quem vem aqui sempre e construiu uma amizade comigo. Mas, isso foi só um exemplo. Não vim falar do meu blog.

Posso estar me mostrando uma pessoa horrível, sem coração, insensível ou esnobe por dizer que sou seletiva, mas não é nada disso. Posso também transmitir com esse texto uma Flávia que não tem e não gosta de colegas, mas não é isso também. Gosto das pessoas que não tenho muita intimidade (óbvio), com elas posso sair para dar risadas, me divertir e jogar conversa fora. Mas, amigo mesmo de contar coisas do nosso íntimo, são poucos e acho que deve ser assim, devemos nos preservar. Acho que no fundo sou o que todo mundo é um pouco, mas ninguém aceita, ninguém admite porque a nossa sociedade exige que sejamos simpáticas, sociais e cheias de amigos.

Tem uma conhecida minha que vive dizendo que tem muuuuitos amigos e é a pessoa mais angustiada e sozinha que conheci. Seus perfis nas redes sociais são lotadas de gente! Você entra, vê e pensa que ela é super popular e rodeada de amigos. Mas, esta não é a realidade no seu dia-a-dia.

Mas pra que muitos amigos?
Nunca entendi essa necessidade que algumas pessoas têm ao dizerem que possuem tantos amigos.
E já vi muita gente precisando de uma força e nem tinham com quem contar.
E aí? Cadê aquelas trocentas pessoas do Orkut? Do facebook?
Cadê os milhares de seguidores no Twitter?? A maioria você nem conhece, mas se gaba ao ver os números crescendo... não entendo. Tudo hipocrisia.
Tudo para mostrar uma popularidade desnecessária e egocêntrica.

Eu já tive um perfil aberto no Twitter e já cheguei a ter umas 500 pessoas me seguindo mais ou menos.
Aí comecei a pensar: mas pra que??
O que essa popularidade significa?
Que sou legal? Que sou divertida?
Que viver sem minha amizade pode tornar a sua vida tediosa?
Quem são aquelas pessoas que me observam de longe e que nem conheço?
Claro que se alguém tem intenções comerciais até DEVE ter um perfil no Twitter, mas quando vejo que cada vez mais pessoas aderem a esses perfis chamando todo mundo de amigo e nem sequer conhecem as pessoas que estão ali, não consigo ver sentido.

No Orkut a mesma coisa.
Sinto que algumas pessoas até se afastaram de mim por eu não tê-las aceito no meu Orkut (que mantenho só para que a minha família no Brasil possa ver minhas fotos). Não aceito mesmo. Tem gente que só quer entrar ali para bisbilhotar mais ainda minha vida pessoal (não se contentam só com o blog). Mas, o que mais me irrita é que chegam assim: "oi Flá, saudades de você, me add? Beijos"

Oi? Como assim "saudade" se você sequer me telefona para saber se estou bem?
Porque te adicionar se você tem meu número de telefone e nunca ligou no dia do meu aniversário para desejar felicidades?
Bom, enfim.... deixa quieta esta parte. Muito polêmica.
Poderei até perder mais "amigos" por causa deste post! kkkk

Amigos virtuais que conhecemos na blogosfera é um pouco diferente.
Acho que seja possível sim construir uma sólida amizade (não com todo mundo, claro), pois aqui dividimos opiniões e fazemos crescer um carinho pelas pessoas, mesmo que virtual. Com o tempo, marcamos os famosos "encontrinhos" e a amizade se concretiza. Mas, por exemplo, no Twitter, não vejo essa possibilidade.

Querem me ver num profundo dilema??
Por exemplo, preparar uma lista de convidados para minha festa de aniversário.
Vixi maria, é um horror pra mim ter que convidar a maioria das pessoas por educação e ainda ter que bancar tanta comida para elas. Mas isso até vai, o pior é que muitas saem comentando e falando mal (experiência própria).
Tem que chamar fulano porque trabalha junto comigo e se fulano souber que convidei ciclano e não o fulano, o fulano vai ficar chateado.

Ah, que se chateie!
Tá tudo bem, posso pensar assim, convido quem realmente gosto, curto conversar e confio.
Mas, e a festa? Vai ficar quase vazia? rs
Festa vazia com poucos amigos poderá queimar meu filme e mostrar que não sou popular?
Se não sou popular quer dizer que tenho alguma coisa errada e poderei perder mais amigos ainda?
Então, convido todo mundo. Pelo menos ganho mais presentes. kkk (brincadeira!)

Falando mais sério agora.
Hoje em dia não faço mais isso, não convido nem telefono por educação.
Meninas, se eu convidar vocês para uma festa, não fiquem com medo! rs
Não pensem que as convidarei por educação!
Eu já fiz muito isso na vida, mas hoje não faço mais. Prezo a qualidade e não quantidade.
Se um dia eu tiver apenas uma amiga, então farei uma festa só com ela.
Não me pego mais à esta questão de casa cheia, gente ligando toda hora, sorrisinhos chatos, etc
Aliás, não faço nada por educação.
Apesar de ser educada.

O lado bom de todo esse meu jeito seletivo é que quem estiver ao meu lado como amigo, sempre terá a certeza de que é amizade mesmo. Acredito que conviver com uma pessoa transparente é mais fácil do que conviver com pessoas "boazinhas demais".

17 de fev de 2011

Blogs que não consigo acessar

Oi turminha!! Tudo bem?
Bom, hoje vim fazer um comunicado que me chateia um pouquinho.
Não estou conseguindo acessar alguns blogs e, pior que isso, não sei nem porque não consigo acessá-los. Se pelo menos eu soubesse, poderia fazer algo.
Vamos à listinha:

A Doçura do Mundo (só vejo o layout, mas não tem post nenhum)
Apenas Um Lugar Para Ser (também só vejo o layout, nada do conteúdo)
Chuchulices (por alguns segundos aparece o blog inteiro, mas no rodapé do blog aparece uma frase dizendo que deu "erro na página" e tudo fica branco!!)





E o mais intrigante é que isso aconteceu da noite pro dia.
Acessava normalmente, lia, comentava, até que num belo dia, não deu mais.
Não queria que as meninas pensassem que eu não as visito mais.
Praticamente toda semana tento, mas não dá mesmo.

Isso tinha acontecido com o blog: Aqui Comigo da Rô, mas neste caso, hoje já consigo acessar, tudo voltou ao normal.
Será que elas fizeram alguma alteração interna no blog? Será que os layouts do The Cutes Blog on the Block estão provocando isso? Será que eu mesma fiz algo?

Essas meninas lindas são tão atenciosas comigo, sempre estão aqui comentando e interagindo comigo tudo que escrevo, mas não consigo retribuir. :(

E agora gente?? Alguém pode me dar uma luz?


Oiee!! Vim correndo aqui hoje (dia 19/02/2011) para dizer que consegui acessar novamente o blog: Apenas Um Lugar Para Ser. Ela disse que ia remover o layout e deu certo!

15 de fev de 2011

Valentine´s Day no Japão, por mim

Ontem no Japão foi o dia da mulherada presentear os homens com chocolates.
Isso mesmo. Assim, com quase nada de romantismo, comemoram o dia dos namorados por aqui.
Não entendo porque relacionam o dia dos namorados à São Valentim chamando este dia de Valentine´s Day se as mulheres podem dar chocolates para qualquer homem que seja seu colega, vizinho, chefe, namorado ou marido. Estranho né? Nunca entendi muito bem, masssssssss.....

Bom, daí que daqui a um mês os homens terão que (isso mesmo: terão que!), muitas vezes por educação, retribuir o carinho ou a gentileza presenteando a mulher de quem ganhou o chocolate com bolachinhas.
Sacanagem essa parte!! rsrs
Porque na nossa vez eles têm que vir com bolachinhas??? rs
Este dia se chamará então de White Day (antes as mulheres recebiam marshmallows por isso o nome "white", depois veio essa palhaçada de bolachinhas porque comercialmente rendia mais ienes pro país).

Rola muito interesse também no ato de presentear! Normalmente as mulheres presenteiam já esperando suas bolachitas (argh!) de volta! Fora as brincadeiras da brasileirada: "hoje é dia de dar pro amigo!! Hoje é dia de dar (chocolates hein) pra todo os homens que conheço!" rs

Para mim é meio esquisito tudo isso, maaaassss como sempre invento um pretexto para ser romântica......

......mesmo achando esta data meio mecânica e fria, não deixo meu maridinho na mão e faço questão de dar os chocolatinhos que ele tem direito. Afinal, não deixa de ser uma oportunidade a mais no ano para sermos românticas!! Fiz até uma cartinha com um papel super meigo e deixei junto. Assim que ele levantou para tomar café da manhã, ele viu em cima da mesa (isso foi ontem, segunda-feira) e me mandou uma mensagem no celular, já que eu já tinha saído para trabalhar.



Até que, almoçando com algumas colegas de trabalho (todas casadas), perguntei se elas tinham comprado chocolates para os seus maridos e todas elas balançaram a cabeça dizendo "nããão!!" como se a minha pergunta fosse um absurdo. Tipo: hum?? Ah, não precisa. Me senti um E.T. ali na mesa gente. Não aguentei e falei: "mas cadê o romantismo de vocês???" - Ninguém falou nada!!!


Sei lá, não quero julgar nenhuma delas, até porque adoro aquelas meninas e os brasileiros não vêem esta data como "dos namorados" de verdade, mas será que usar qualquer pretexto para ser romântica é desnecessário? Tudo bem que nem é o dia dos namorados oficial dos brasileiros (12 de Junho), mas e daí? Porque não comprar um bombonzinho e um chameguinho? Depois de alguns anos de casamento isso não interessa mais? Não faz mais nenhuma diferença? Eu fui na lojinha e comprei sim, bombons deliciosos pro meu maridinho e ele amou!!! Imagina, em plena segunda-feira isso?? Ahh, tudo de bom hein! ...

Sou romântica bobona sim e levanto esta bandeira!!!!
E viva as cafonas!!!!! uuhhuu!!!

13 de fev de 2011

8 anos de casamento, amor e muita cumplicidade

Há 8 anos unimos definitivamente as nossas vidas, os nossos dias e noites, os nossos sonhos e os nossos destinos. Completar 8 anos de casamento é fácil para qualquer casal. O difícil é completar 8 anos de união repleta de amor, cumplicidade, dedicação, paixão, tesão e romantismo!

Graças a Deus, fui abençoada com um homem maravilhoso que só faz cuidar de mim todos os dias da vida dele. Amo tudo nele: seu jeito de fazer carinho na minha cabeça quando deito ao seu lado para ver tv, suas gargalhadas quando ele me prega uma peça ou tira um sarro de mim, seu jeito cuidadoso de me dar conselhos, sua preocupação desesperadora quando presencia minhas crises fortíssimas de cólica (ele sai mais cedo do serviço e vem pra casa, se deita comigo e segura minha mão), enfim, amo tudo neste homem apaixonante!


São 8 anos de convivência diária, aprendizados, conversas mais sérias, conversas jogadas fora, inúmeros beijos, abraços e declarações (mais minhas do que dele né, porque homem não é muito de falar! rs).

Somos duas pessoas completamente diferentes. Eu sou a justiceira e falo tudo mesmo, às vezes chego a dar até alguns pitis!! rs... Ele já faz o gênero paciente, tranquilão, que pensa mil vezes antes de falar. E essa diferença de personalidade nos enriquece muito. Acontece uma espécie de osmose. Ele me ensina a ser mais paciente e aprende a não ser tão bonzinho com as pessoas (o povo abusa da bondade dele!!).

O tempo vai nos transformando em pessoas muito parecidas e com os mesmos gostos, embora sejamos muito diferentes na nossa essência. Esse entrosamento, esse encaixe perfeito é um fenômeno de Deus.

TE AMO!!!

O meu único desejo hoje é que esse dia seja multiplicado e que muitas outras bodas sejam comemoradas com o amor que sentimos hoje um pelo outro.

Neste ano, a nossa comemoração foi mais simples porque estamos cheios de gastos com o nosso retorno definitivo ao Brasil. Então, apenas saímos para jantar e decidimos não trocar presentes, apenas nos curtir, conversar e relembrar a nossa época de namoro e início de casamento. Fomos ao restaurante onde saímos para almoçar pela primeira vez, ainda nem namorávamos oficialmente. Para mim foi um pouco triste saber que esta poderia ser a minha última vez naquele restaurante, pois não pretendo mais voltar ao Japão (pelo menos pretendo).


Mas, independente do país, da cidade ou de qualquer lugar do mundo, sempre seguirei a nossa filosofia, a base da nossa união: o que importa é que estamos juntos!
Feliz Bodas de Papoulas para nós!
Estou amando compartilhar este nosso momento tão especial com vocês! Beijos.

8 de fev de 2011

Estou no blog "De Sapatilha"

Olá queridos!!
E a correria continua por aqui.... ufa!
Como dá trabalho mudar!!! rsrs

Então, hoje vim avisar a todos vocês que acompanham o meu blog que fui convidada pela querida Luziane Lima do blog De Sapatilha a dar uma entrevista sobre Moda. Bacana né?? Mas, já vou adiantando que, como meu estilo é mais clássico, não entendo muito de moda e suas atuais tendências. Sou daquelas que vejo na loja, gosto e compro. Mesmo assim, ousei responder algumas questões. A Lu é estudante de moda e é muito simpática, um amor de menina!! Olha ela aqui:


Visitem o blog da Lu, conheçam seus posts interessantes sobre moda e vejam o que acharam da entrevista!
Espero que gostem! Beijos!!!

Link:


Ps.: Aos poucos estou retribuindo os comentários deixados nos posts anteriores a este tá?
Um beijão!

6 de fev de 2011

Big Brother Brasil por Luiz Fernando Veríssimo e algumas considerações pessoais

*obs.: Dizem que o texto abaixo foi escrito pelo Luiz Fernando Veríssimo, porém não tenho certeza, muitas pessoas dizem que não foi. Vocês sabem como é a internet, mas independente disso, não desmereço nada do que foi escrito a seguir:

Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço...A décima primeira (está indo longe!) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil,... encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência.

Dizem que em Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir, ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, heteros... todos, na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, acho que cada um faz da vida o que quer, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterossexuais. O BBB é a realidade em busca do IBOPE...

Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB. Ele prometeu um “zoológico humano divertido” . Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas.

Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo.

Eu gostaria de perguntar, se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade.

Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis?

São esses nossos exemplos de heróis?

Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros: profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor, quase sempre mal remunerados..

Heróis, são milhares de brasileiros que sequer têm um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir e conseguem sobreviver a isso, todo santo dia.

Heróis, são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna.

Heróis, são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada, meses atrás pela própria Rede Globo.

O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral.

E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!!

Veja o que está por de tra$$$$$$$$$$$$$$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão.

Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social: moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros?

(Poderiam ser feitas mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores!)

Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores.

Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ir ao cinema..., estudar... , ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins... , telefonar para um amigo... , visitar os avós... , pescar..., brincar com as crianças... , namorar... ou simplesmente dormir.

Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o que ainda resta dos valores sobre os quais foi construída nossa sociedade. Fica aqui minha dica!!!

O texto acima foi encontrado no blog ABC da Pedagogia


Minhas considerações (Flávia):
Eu, Flávia, e o meu esposo não conseguimos assistir a este programa de qualidade duvidosa. Claro que respeitamos seus fãs, até porque são eles os responsáveis pelo grande sucesso do BBB. Porém, fiz questão de assistir ao capítulo de ontem onde a conhecida e respeitada marca Knnor patrocinava uma prova onde cada brother teria que se vestir de frango e, em sistema de rodízio, revezar um forno gigante. Detalhe, cada um deles vestido de frango (patético) estava coberto por um saco plástico (surreal).

Me admira a Knnor, uma marca que não precisa disso, se expôr desta maneira tão desastrosa no canal brasileiro mais importante do país. Será que ninguém parou para pensar que alguma criança poderia copiar a prova e se asfixiar com um saco no corpo? Por mais que a prova tivesse seus avisos de segurança aos telespectadores, não podemos confiar na prudência de uma criança.

Reprovo totalmente qualquer marca que venha a bancar este programa que só se preocupa em nos mostrar valores deturpados.
Citei o exemplo desta prova patrocinada pela Knnor, mas é claro que existem ali inúmeros motivos para repugnar o BBB. Alguém aqui viu aquela cena onde a Paula se sentou no colo de uma loirinha (nem sei o nome dela) e insinuou beijá-la na boca? Bom, na verdade, não sei mais o que dizer porque não me permito assistir. Só vi estas cenas porque a tv permaneceu ligada enquanto eu estava blogando e não resisti, assisti mesmo para ver onde aquelas pessoas chegariam!!

Estudar o comportamento humano baseando-se naquelas pessoas dentro da casa? Pra que?
O que poderiam começar a fazer é estudar o comportamento humano dos milhares de brasileiros que admiram os brothers dali, para tentarmos entender porque gostam tanto daquele programa? Em que se identificam? Porque se tornam fãs? Queria muito saber. Ou não.

Mas, é aquela velha história.
Se está na edição 11 é porque tem gente que banca e gosta.
Fazer o que.

4 de fev de 2011

Presente se pede?


Eu e o meu marido nunca deixamos de comemorar o nosso aniversário de casamento, o Natal (mesmo morando no Japão) e o dia dos namorados.

Porém, sempre fico num dilema:
Seria eu indelicada ao insinuar um presente que gostaria de ganhar?
Se eu pedisse um presente específico, correria o risco de diminuir o romantismo?
Ele poderia entender que seus presentes não me agradam? (adoro todos, mas os homens geralmente não pensam como nós e podem interpretar mal).

Estou escrevendo isso porque sempre que pergunto pra ele o que ele gostaria de ganhar, ele responde que presente não se pede, que tem que ser surpresa.
Inclusive neste último Natal, eu pedi uma camiseta da linha Snoopy da Benetton e ele deu, mas deu um outro presente-surpresa junto; ou seja, ele deu o que pedi, mas também deu o que eu não pedi.
Quanto à isso não tenho dúvidas, meu marido gosta de me surpreender.
Já percebi que pedir presente não rola muito.


Mas, no caso contrário, eu gostaria muito que ele me desse pistas do que gostaria de ganhar.
Claro que adoro fazer surpresas, mas me agrada muito a idéia de presenteá-lo com alguma coisa que ele realmente precisasse.

Exemplo: no Natal eu dei um kit inverno com blusa de lã, agasalho, touca, luvas... tudo combinando.
Tá, ele amou!!! Não tira a touca da cabeça!!! rsrs (que lindinho...)
Mas, dias depois ele me disse no carro:
Mô, tô pensando em comprar um net book pra mim, o que você acha?
Eu o apoiei e disse que seria bacana, maaaassss se eu soubesse que ele queria tanto, eu mesma poderia ter dado de presente!! Entendem??

No nosso caso, sei que as coisas vão ser assim porque esse é o jeitão dele.
Já sei que se eu pedir alguma coisa, vou ganhar essa coisa e mais outra.
Tá resolvido.

Mas, e com vocês? Vocês pedem o que querem?
É indelicado pedir ou insinuar um presente mesmo se temos muita intimidade com a outra pessoa?
Perde o romantismo?
Ou perder o romantismo significa cada um comprar o seu presente e pagar com o cartão de crédito do outro? Taí.....

2 de fev de 2011

A todo vapor

Olá queridos! Diante de tantas palavras amigas, hoje é um outro dia e estou bem melhor. Obrigada por cada comentário deixado no post anterior.

Bem, hoje peguei emprestado um livro chamado Os Vegetais - Alimentos que promovem qualidade de vida e, diante de tantas informações indispensáveis para se obter uma ótima saúde, pensei em compartilhar com vocês algumas informações que mostram o quanto podemos perder muito de um alimento se o prepararmos de maneira incorreta.


Informações do livro:

Pesquisas mostram perdas de vitaminas e sais minerais nos mais diversos tipos de preparo (perda de cálcio, ferro, fósforo, potássio, zinco):
- Panela de pressão: 30% a 60%
- Fogo alto: 60% a 80%
- Fogo baixo: 30% a 40%
- Cozimento a vapor: 2% a 5%

Agora vejam o quanto perdemos de cada alimento relacionado abaixo se forem fervidos em água no sistema convencional (as vitaminas se perdem para o meio aquoso):
- Frutas: 40% a 55%
- Folhas: 30% a 60%
- Legumes: 40% a 60% (ex.: feijão, soja...)
- Tubérculos: 30% a 70% (ex.: batata, nhame, cenoura...)
Porém, se forem cozidos a vapor, a perda de vitaminas será apenas de 1% a 6%.


E aí? Será que ao saborear um belo prato cheio de vegetais, estamos realmente nos alimentando bem? Hum.... vai depender de como foi preparado.
Eu não domino a arte da culinária e ainda não tenho uma panela específica para cozinhar a vapor, vocês poderiam me dar dicas de como fazer isso aqui em casa usando minhas panelas normais?

Beijinhos!