31 de jan de 2011

Tentando entender o inexplicável

Olá! Tudo bem? Hoje estou aqui para desabafar com vocês, afinal este blog trata da vida real, dos sentimentos reais que temos e que muitas vezes não são um mar de rosas. Todos já conhecem a minha atual falta de tempo para a internet por causa dos preparativos com a nossa mudança, mas por outro lado, se eu ficar muito tempo longe daqui ou permanecer por muitos dias sem compartilhar meus sentimentos, parece que vou explodir.

Queria saber se vocês já tiveram aqueles momentos na vida de introspecção total, aquela fase onde não queremos vida social e manter uma conversa com um colega é uma coisa que requer um certo esforço. Não sinto ânimo para conversar e ouvir coisas que não me interessam. Muitas vezes escuto uma pessoa falando com um colega e sem participar daquela conversa, já reviro meus olhos e penso: que saco esse papo! Mas, tenho certeza que, em uma outra época, eu acharia aquele papo normal, bacana até.

Pouquíssimas pessoas hoje em dia conseguiriam me envolver com uma conversa. Talvez, mesmo sendo uma boa conversa, também não tivesse paciência. Tudo isso porque o problema não está nas pessoas, está em mim. Ou será que está nelas? Não sei. Quem sou eu neste momento? Aquela Flávia alegre de alguns meses atrás não está aqui.

Parece que só consigo estar bem ao lado do meu marido e dentro da minha casa.
Saindo desta linha, eu já me sinto deslocada, triste, impaciente e intolerante.
Eu estou chatinha gente, querendo ficar sozinha. Engraçado que com vocês do blog eu interajo numa boa. Parece que volto à ser a Flávia de sempre!!! Estranho né?

Tenho vontade de conversar somente com quem quero e não com quem se aproxima, entende? Mas, e o lance de fazer "a social", e a política da boa vizinhança??? Pois é, é para isso que servem as máscaras. Ninguém tem culpa por eu estar desse jeito. Não tenho o direito de ser indelicada com ninguém e ninguém tem uma bola de cristal para saber como estou por dentro.

Todos os dias coloco minha máscara, a que tem o sorriso mais largo e vou trabalhar. Pode ser que alguém de lá leia isto aqui, espero que respeitem. Mas também, se não entenderem, não estou muito preocupada, sinceramente.

Meu prazo de validade no Japão terminou, acho que isso contribui para tudo que sinto hoje. Já me disseram que devo aproveitar cada segundo daqui até o fim porque sentirei saudades. Racionalmente sei de tudo isso, mas meu coração não está mais aqui. Meu coração já está no Brasil, perto da minha família, há muito tempo. E, a gente, sem coração, não é nada!

Sei que é uma fase. Eu nunca fui assim, mas ultimamente as pessoas andam me irritando muito, nada é interessante, algumas colegas são extremamente infantis, fazem corpo mole no trabalho, fazem piadas sem graça, sei lá, não tô muito a fim de tentar sorrir para elas. Vou deixar isso para as máscaras. Vocês já se sentiram assim?

Por outro lado, (poucas) pessoas maravilhosas trabalham comigo, me dão bom dia com o coração, têm um papo bacana e realmente gostam da minha companhia; mas mesmo assim, continuo nesta minha fase que só pode ser entendida e respeitada por quem realmente me conhece. Ao primeiro olhar, posso estar transmitindo uma certa arrogância, como se eu fosse melhor que todo mundo, como se ninguém fosse legal, mas não é isso. O que sinto vai além de julgamentos ou sentimentos mesquinhos. Nem eu mesma sei explicar. Só estou aqui desabafando, tentando me entender.

Antigamente eu telefonava para os meus amigos e ficava um tempão no telefone. Hoje não sinto vontade.
Antes eu adorava visitar os amigos. Hoje não tenho vontade.
Sei lá, pode ser desânimo ou vontade de ir embora logo ou apenas uma fase ou depressão, sei lá mesmo! Não sei! E, certamente, por mais que eu tenha escrito tudo isso, ainda não consegui escrever tudo o que gostaria e o que realmente sinto.

28 de jan de 2011

Meu primeiro video para vocês!

Olá amigos queridos! Quantas saudades! Estou visitando os blogs de vocês aos poucos, retribuindo cada recadinho carinhoso, mas ainda não está sobrando tempo para eu me sentar com calma e me concentrar para postar um texto. Então resolvi deixar a vergonha de lado e me arriscar a fazer um vídeo especialmente para vocês que sempre me acompanham aqui com as minhas idéias. Mas, em breve (muito em breve senão surto!! kkk) voltarei ao meu ritmo normal de antes. Beijos!

Ah! Só corrigindo uma gafe minha gente!!
O blog da Gisley que sempre tem videos interessantes se chama Querido Deus, obrigada por me exportar e com o nervosismo nesta gravação, falei tudo errado. Desculpa Gi!
O link do blog da Karine é Ka Entre Nós




ps.: ah!! Outra coisa!! Hoje fui ao Consulado e fiz a renovação do meu passaporte. Agora sou chique benhê, estou com o passaporte ergométrico biométrico!! Uhhuuu....!!
A cada dia sinto o Brasil mais perto!! Até fiz uma foto para registrar mais um passo à caminho da nossa terra!!


20 de jan de 2011

Sinal de vida, fotos e muito friiiioooo!!!!

Olá queridos amigos!!
Hoje vim aqui rapidinho só para avisar que estou na correria com a minha mudança!
Então imaginem a loucura!!! rsrs
Aos poucos, vou retribuir todos os comentários deixados na postagem anterior a esta, por isso ficarei uns dias sem novas postagens tá? Assim, poderei me dedicar melhor aos blogs de vocês.

Enquanto isso, vou deixar algumas fotos que tirei no dia que nevou muito aqui na rua de casa! Ficou tão lindo!!!
Um beijo a todos e até breve!!!


Esta é a rua onde moro (lado direito)

Esta é a rua onde moro (lado esquerdo)

eu tirando foto na neve! bááásico! kkk
meu marido estava congelando e bufando! kkk

Esta é a visão de quando saí de casa (amo neve!)

15 de jan de 2011

Tudo isso não tem preço!

Olá queridos! Tudo bem?
Hoje vou compartilhar com vocês algumas surpresas agradáveis que aconteceram comigo nas últimas semanas, gestos simples que tiveram o poder fantástico de transformar o meu dia da água para o vinho.

Vou começar mostrando dois cartões de Natal que recebi de duas amigas blogueiras que moram no Brasil, a Anne (São Paulo) do blog Menina Voadora e a querida Paulinha (Rio de Janeiro) do blog Certas Coisas. É impressionante como conquistamos tantos amigos espalhados pelo mundo através dos nossos blogs, não é mesmo? Obrigada minhas queridas. Para mim que moro tão distante de todas, foi uma surpresa imensa receber esses cartões na minha caixinha do correio!!! Adoro vocês.

cartão de Natal enviado pela querida Anne Lieri

cartão de Natal enviado pela querida amiga Paulinha

Naquela mesma semana recebi, inesperadamente, um bilhete de uma colega de trabalho, a Naty. Ela vive me fazendo surpresinhas deixando bilhetinhos assim no meu armário, sempre com um sorriso no rosto. Olha esse que coisa mais fofa!

bilhetinho inesperado da Naty (acho que está visível né?)

Nesta semana, fui surpreendida duas vezes.
Estava eu... trabalhando normalmente.... quando chega meu chefe (o super japa! rs) segurando uma sacola cor-de-rosa dizendo que era um presente pra mim que entregaram na recepção da fábrica. No início achei que fosse engano, mas quando vi meu nome no cartão, aí não tive dúvidas, era mesmo para mim e melhor: entregue pela querida Gigi do blog Mãe em Tempo Integral, um amor de pessoa.

Ela também mora aqui no Japão e pasmem, moramos na mesma cidade! Em breve nos encontraremos pessoalmente pela primeira vez! Obrigada lindinha!! Vejam que sandália maravilhosa e o cartão de Natal que veio junto.

presente e cartão de Natal da querida Gigi

E, finalmente, porém, não menos importante, quero compartilhar esta cartinha que encontrei em cima da minha mesa depois que voltei do intervalo (kiukey). Sei que não podia, mas li ali mesmo e fiquei super emocionada. Escondida do chefe "super japa" (não posso colocar o nome dele aqui) eu dei um abraço bem apertado na responsável por tanta emoção: a Isabelle, danadinha, que me fez esta linda surpresa, assim no meio do dia, do nada!! Foi lindo!

cartinha-surpresa da Isa, princesa Isabelle! rs
Será que vocês conseguem ler?

Bom turminha, com tudo isso, quero dizer que a vida é assim mesmo. Enquanto uns tentam nos derrubar com atitudes, palavras ou mal olhados, outras muito especiais nos incentivam e fazem seus papéis de anjos da guarda para nos trazer conforto espiritual, um aconchego, um sorriso e felicidade!

Agradeço a todas vocês Anne, Paulinha, Naty, Gigi e Naty pelas surpresas maravilhosas que me fizeram nesses últimos dias. Também agradeço à amizade de todas as pessoas que me querem bem, independente de me presentearem ou não. Apesar de amar os presentes materiais, todos sabemos que o que mais importa é o carinho. E isso, todos vocês me dão. Graças a Deus.

Um beijo muito carinhoso!!!! E bom final de semana minhas queridas!!


******

Recado:
Bom, aproveitando o calor da amizade por aqui, queria comunicar que não estou conseguindo acessar os blogs abaixo, por isso minhas amigas blogueiras, desculpem a minha ausência, não sei o que pode ter acontecido, entro nesses blogs e depois de alguns segundos, as páginas ficam totalmente em branco.
- Aqui Comigo
- A Doçura do Mundo
- Chuchulices

12 de jan de 2011

Você: uma Mulher "Maravilha" ou "Maravilhosa"?

Toda Mulher é Maravilha.
E porque não? Seríamos tachadas de metidas ou arrogantes por acharmos que somos uma Mulher Maravilha? Não penso assim e me acho sim uma Mulher Maravilha. Não disse Mulher Maravilhosa, mas sim Mulher Maravilha. É muito diferente!

Quando digo que sou uma Mulher Maravilhosa estou me elogiando, me autopromovendo, é como se dissesse que sou linda, perfeita, radiante e livre de defeitos! Porém, quando digo que sou uma Mulher Maravilha, significa que sou uma mulher forte e confiante. Fico com a segunda opção.

No filme, a fortaleza da Mulher Maravilha está no físico da personagem. Ela sempre chega na hora exata para salvar vidas. Levanta casas, carros, voa para o alto dos prédios e freia carros ou trens em movimento com suas próprias mãos.

Na vida real, por incrível que pareça, ser uma Mulher Maravilha é muito mais que isso!!! Afinal de contas, viver na realidade é muito mais difícil do que na fantasia! rs... já começa daí.

Somos mulheres maravilhas todos os dias. As Mulheres Maravilhas Guerreiras de hoje são esposas, mães e profissionais. São mulheres que passam pela dor do parto, do divórcio, do luto, da instabilidade financeira e muitas outras dores da vida. No entanto, continuam cuidando da família disfarçando, muitas vezes, sua tristeza ou angústia em nome da boa convivência dentro de casa.

Aquelas mães que fingem estar tudo bem no dia-a-dia para não transmitirem aos filhos os seus problemas são os casos mais comuns de mulheres fortes. Saber lidar com as dores da vida, suas frustrações e preocupações e ao mesmo tempo lutar pela paz no âmbito familiar é uma luta diária que requer inteligência, frieza, força e autocontrole.

Mulheres Maravilhas superam todos os seus obstáculos com perspicácia e amor. Sem amor, não podemos ser uma Mulher Maravilha, pois é esse sentimento nobre que impulsiona cada segundo do relógio da gente. Sem amor nada acontece efetivamente. Sem amor, nenhuma conquista irá preenchê-la totalmente, sempre haverá uma lacuna dentro de você, aquele vazio que muitas vezes não sabemos com o que preencher, só sabemos que ele existe e está ali... incomodando.


Veja se você é uma Mulher Maravilha:
Ela ama o que faz. Ama sua família. Acorda cedo e dorme tarde. Não mede esforços para ajudar as pessoas. É prestativa. É sincera com os outros e consigo. Tem objetivos na vida. Batalha e não fica esperando as coisas caírem do céu. É fiel à família, ao esposo e às suas convicções. Chora. Se descabela. Acha que o mundo vai acabar, afinal é de carne e osso. Pensa em desistir. Não desiste! Sobe no salto e supera as dificuldades. Suporta cólicas menstruais horrorooooosas! Pede colo. Dá colo. Faz manha. Acorda amassada. Depois de 20 minutos é mais linda que a Gisele Bundchen. Sabe perdoar. Protege seus filhos. É carinhosa. Respeita opiniões alheias. Aceita críticas. Assume falhas. Usa a inteligência para desatar os nós da vida. Sabe recomeçar a vida quando volta do fundo do poço e sempre consegue enxergar o lado bom em tudo.

Viu? Se você é uma mulher maravilha, automaticamente é maravilhosa.
E nem toda mulher maravilhosa é maravilha!

Este post foi escrito por mim em Fev/2010

8 de jan de 2011

Oi? Como assim??

Não adianta. Criança não abstrai certas coisas.


Hoje, lendo o blog da Margot Félix, me deparei com um post muito engraçado que nos remete a uma fase da vida onde não entendemos certas expressões do mundo adulto. Clique aqui para ler a experiência da Margot.

Então, pensei em compartilhar com vocês uma certa dificuldade que eu tinha, por volta dos meus 5 aos 10 anos de idade, de entender o que significava esta frase que sempre ouvia da minha mãe:

"Fulano foi pro céu" ou "Todas as pessoas boas que morrem vão pro céu"

Oi? Como assim pro céu?
Ouvia aquilo e pensava, pensava..... Perguntava pra minha mãe: "Como assim?"
Ela nem respondia. Sei lá, naquele tempo as mães não pensavam muito em dar maiores explicações filosofais aos filhos. Eu poderia ter crescido traumatizada por causa disso! kkk
Resumindo.... ela nunca me explicou e por anos a fio eu imaginei a seguinte cena:

Que em algum lugar do planeta pudesse existir uma região onde os caixões subiam aos céus levando as pessoas mortas. Mas porque eu nunca via nenhum caixão subindo? Como os mortos conseguiam chegar no céu? Se tantas pessoas morriam no mesmo dia e na mesma hora, o certo seria haver um congestionamento de caixões sendo levitados. Como os caixões eram levados? Por uma corda transparente? Mas quem puxava??
Aiaiaia..... que confuso.... Deveria haver uma explicação mais lógica, mas nunca ninguém me falou.

Até que a vida me ensinou que não era bem assim.
Ainda bem!


7 de jan de 2011

Quem não chora, não mama!

Oláááá!!!! Vocês aaaaacham que eu não ia mostrar o cartão de Natal que o meu maridão me deu???? rs...
Todas vocês devem se lembrar do meu chamego todo com ele que postei AQUI barganhando um cartão junto com o presente. Pois então, aqui está o tão esperado cartão de Natal mais lindo do mundo!!!!



Como a maioria dos homens, o meu marido não pensava nesses detalhes de dar um cartão junto com o presente, mas pedindo com jeitinho, ganhei!! rs...
Ah!! Meu aniversário é em Maio.
Será que vou ganhar outro?? kkk.... Mulheres..... sempre pidonas! rsrsrs

5 de jan de 2011

Acho que não nasci pra faxina não

Sempre que me meto a faxinar aqui em casa, chego à conclusão que morreria de fome se esta fosse a minha fonte de renda. O nosso apartamento é arrumadinho, limpinho, adoro fazer limpeza pois é onde vivemos, mas o problema é que eu demooooooooro muito para terminar tudo! Me distraio e perco o foco com qualquer besteirinha.

Pra começar, acordo 10 horas e só começo depois de tomar meu cafezinho com pão. rs Fico uns 5 minutos olhando pra casa pensando por onde poderia começar. Se a faxina é no quarto, onde guardo cartas e fotos numa parte do guardarroupa, já era! Sento na beira da cama e começo a ver fotos antigas, cartas e então resolvo faxinar a caixinha das cartas. Isso quando não decido arrumar minhas caixinhas de bijouterias ou maquiagem. Fico nisso 1 hora mais ou menos.

Na sala, provavelmente a tv vai estar ligada (não deveria!), aí sento para ver um trechinho de um programa bacana ou uma reportagem interessante. Quando dou por mim, já se passaram uns 40 minutos.

Aí é claro que como sou filha de Deus, dou uma paradinha pra comer alguma coisa, afinal faxina cansa!
Até preparar o lanche e comer, já foi uma meia-hora.
Relógio? Ah, deve ser agora umas 3 ou 4 da tarde.
Preciso correr porque daqui a pouco vai começar a sessão novela.
Termino o guardarroupa (e não o quarto inteiro) e a sala.

Mas, e o banheiro, o escritório, a lavanderia e a copa?
Ah.... vão ficar pra depois da minha novelinha!!! rsrs...


Me inspirei a escrever este meu dilema na faxina depois que li este post aqui escrito pela Otília do blog De mãe pra mãe. Também indico este post aqui do blog Caixinha da Adri para quem quiser pegar umas dicas ótimas para manter a casa limpa sempre.

3 de jan de 2011

Todos os meses deveriam ser Dezembro

Fiquei pensando esses dias...

Para a maioria das pessoas, o mês de Dezembro é o mais especial do ano porque nos remete à reflexões, lembranças, saudade, perdão, autoanálise e outros profundos sentimentos que nos transformam em pessoas mais humanas, mesmo que por um tempo determinado.

Digo tempo determinado porque antes mesmo de chegar o carnaval, muitos "voltam ao normal" e se esquecem da ternura e compaixão que transbordavam em seus corações naquele último mês do ano anterior.

Como num passe de mágica, parece que as pessoas (não todas, evidentemente) acordam de uma hipnose coletiva e voltam a cometer os mesmos erros. Continuam maltratando seus filhos, brigando com seus companheiros, se esquecem novamente dos familiares mais distantes porque sabem que no próximo Dezembro se reencontrarão na ceia e tudo estará certo, quebram a dieta, param de estudar, continuam saindo com "a secretária", desaprendem o sorrir, deixam de lado a gentileza do dia-a-dia e não fazem nada em prol ao meio ambiente.

Tudo porque já têm em suas vidas o Dezembro garantido.
Ah, em Dezembro, no Natal todos se perdoam, todos se conectam pelo skype para matar "a saudade" e rezam em um mês tudo que não rezaram em um ano.

Sou humana e seria hipócrita se dissesse escrevesse aqui que não me encaixo nos parágrafos anteriores. Mas, como uma das nossas obrigações como seres humanos é sempre evoluir e não regredir, a vida está me ensinando que o certo, além de ideal, seria manter o espírito de Dezembro todos os dias do ano!!!

Agradecer por mais um dia todas as manhãs ou noites, não só em Dezembro; valorizar a família todos os dias e não só durante a reunião familiar no dia 25 de Dezembro; abraçar seu companheiro e dizer eu te amo sempre e não só na virada do ano; e por aí vai.

Nesta minha primeira postagem de 2011, quero junto com vocês, meus queridos amigos e familiares que me acompanham desde que iniciei este blog, abraçar a idéia de que o espírito do mês de Dezembro deve sobreviver em nossas mentes e corações por pelo menos 365 dias consecutivos.

Que, antes de pensarem ou desejarem o mal de alguém, que o anjinho do seu ombro direito possa te lembrar destas minhas palavras, não porque são palavras incontestáveis, mas porque foram escritas por mim, uma pessoa que só quer compartilhar o bem.

Para finalizar, deixo com vocês a foto do meu reveillon com meus amigos! Um beijo.

eu tô ali beijando meu maridão!