10 de ago de 2010

Não Sufoque o Amor

Parábola
Uma mãe e a sua filha estavam caminhando pela praia.
A menina perguntou: "Como se faz para manter um amor?"
A mãe respondeu: "Pega num pouco de areia e fecha a mão com força..."
A menina assim fez e reparou que quanto mais apertava a areia com a mão, mais ela escapava.
"Mamãe, mas assim a areia cai!"
"Eu sei, agora abre completamente a mão..."
A menina assim fez, mas veio um vento forte e levou a areia que restava.
"Assim também não consigo mantê-la na minha mão!"
A mãe, sempre sorrindo, disse: "Agora pega outra vez num pouco de areia e mantem-na na mão semi-aberta como se fosse uma colher... Fechada o bastante para protegê-la e aberta o bastante para lhe dar liberdade.
A menina experimenta e vê que a areia não escapa da mão e está protegida do vento.
"É assim que se faz durar um amor..."


Olá! Bom, quanto à parábola, penso o seguinte: vejo tantos palestrantes abordarem assuntos sobre relacionamentos pessoais, qual a melhor maneira de agir, o que não fazer, como manter o casamento (inclusive eu já postei isso no blog), mas acredito que todas essas dicas e conselhos que ouvimos durante a nossa vida sirva, apenas, como um parâmetro.

Na realidade, se soubermos dosar todas as nossas atitudes (não só no casamento, mas em tudo) e usarmos a sensatez e a intuição feminina (as mulheres não costumam usar muito esta carta na manga), podemos conviver harmoniosamente, sem muitas regras. Quanto mais regras, mais lógica fica a coisa e menos intensamente vivemos.

Temos que entender que qualquer pessoa que estiver ao nosso lado tem que estar porque DESEJA ESTAR e não porque pedimos ou forçamos a barra. Tem coisa mais gostosa do que você saber que seu companheiro chegou mais cedo em casa porque ele quis e não porque você ficou implorando? Meninas, não percamos nosso valor. O corpo dele poderá estar ao seu lado todos os dias, mas se o coração e mente do rapaz estiverem longe, sufocar só fará você perder tempo.


Leia também:

15 comentários:

Monike disse...

boa semana lindona

Carla Pinheiro disse...

Adorei...
Texto sensível e uma delícia de ler.
Sempre costumo dizer que a minha porta sempre está aberta nos meus relacionamentos. Se vc fecha, sufoca demais!

Beijos

Toque de Elegância disse...

Flávia, concordo plenamente com as suas palavras..é a mais pura verdade!! Bjs querida..

Giovana,
http://toquedeelegancia.blogspot.com/

Lilian Britto disse...

Vc falou tudo Flávia! Mas como é difícil saber a medida certa do amor... Já fiz tanta bobagem por causa de ciúmes! Costumo dizer q sou doente de ciúmes, sim, porque ciúme só pode mesmo ser patológico... Mas hoje, depois de 19 anos de casada, sei onde posso e onde não posso pisar em matéria de amor e meu marido, apesar de todos os problemas inerentes aos casais, me ama e eu sinto isso =)
Beijos querida, linda semana =*

P.S.: Adoro cada dia mais te visitar, seu blog é maravilhoso!!

Meu blog: http://doceinsensatez.com/blog

Flávia Shiroma disse...

Meninas, ontem mesmo senti ciúmes do meu marido em relação a aproximação de uma moça. Não vi nada demais, mas só pelo fato de ver os dois próximos, me deu uma coisa.
Mas, me controlei e disse para mim mesma.
Calma Flávia, vc não viu nada.
Se você disser alguma coisa, só vai criar um clima totalmente desnecessário.
Aí deixei passar.
Hoje só me recordo disso e pronto.
Acabou!

Podemos sentir ciúmes sim, mas o segredo está no autocontrole.

Nai disse...

Concordo Flávia,

As pessoas devem estar ao nosso lado por livre e espontânea vontade, sem forçar a barra.
E quanto ao ciúme, manter a sanidade é a melhor estratégia.

Super Beijjo

Wevertton disse...

Ola Flavia, achei seu blog... e gistei muito, bem interessante! Estou seguindo, segue o meu tambem?? Beijos

Flávia Batista disse...

Oi Flávia!!!
relacionar-se é difícil. é, literalmente, um aprendizado. Um tem que aprender om o outro sobre como se "aguentar". Mas se ambos cederem, a relação fica maravilhosa.

bjss

Flávia Shiroma disse...

Isso mesmo Flávia!
A questão do ceder é muito importante.
Relacionar-se é um aprendizado diário.

Obrigada pelos comentários!
Bjs

Paula Li disse...

Oi Flávinha querida,
estou de volta!
Adoro quando os posts são sobre relacionamentos, são os que mais me identifico.
Tive que aprender na "marra" a ser menos sufocadora e não deixar que o meu amor escorresse entre os dedos ou que o wento o levasse.
Assim que puder farei a listinha do básico indispensável.
Bjs

Ariana disse...

Oi Flá...
Adoro esse texto e também acredito que Amor seja exatamente assim, nada que é forçado pode durar ou se manter saudavel, o excesso estraga qualquer tipo de relacionamento...
Adoro seus post...
Mil beijos e fique com Deus...
Muita LUz na sua vida...

Jú Ferrer disse...

Essa parábola é linda!!! Adorei o texto.

Beijocas

Eli disse...

Flavia, isso ia ate colocar no meu blog! Não há como segurar algo que não se mantem!
Cobranças...ah,isso podemos fazer todos os dias, todas as horas! Mas isso não assegura que há de sobreviver.
bjos

Eli disse...

Ah! mais um detalhe: há um ditado que diz-> oque os olhos não veem, o coração não sente!
Costumo completar com: mas a mente imagina!!! E como! Aí q está o perigo.As vezes vemos coisas onde não existe!

Flávia Shiroma disse...

É verdade Eli, vc disse tudo.
Essa mania de imaginar coisa, muitas vezes, acaba com uma relação que poderia ser muito boa.
Obrigada pela companhia sempre.
Bjs

Ariana, que bom reve-la por aqui. Vc deve estar na correria nos preparativos pro casamento não? Espero que essas nossas dicas sirvam pra vc! Bjs

Paulinha, eu tb me identifico muito com textos assim, acho que neste dia estava inspirada! rs
Bjinhos!