1 de mai de 2010

Descobrindo a reza e Deus

Nunca tive uma vida religiosa. Apesar de não culpar minha família por isso, reconheço que nunca recebi um direcionamento religioso. Não me lembro de nenhuma cena de quando era criança indo à missa com meus pais. Acho que em uma certa época minha mãe me incentivou a frequentar o cursinho dominical de uma igreja católica do bairro, mas eu mesma não sabia porque estava indo e porque tinha que ser aos domingos pela manhã. Gostava dos livros, mas não entendia porque deveria saber aquelas coisas. Não sabia se eram histórias bíblicas reais ou se eram estórias, lendas ou fábulas. Sempre desconfiei de que esse incentivo por parte da minha mãe não era muito pela religião, mas uma forma talvez eficaz de me disciplinar, já que sempre fui uma criança malcriada. Mas, eram apenas desconfianças, ela nunca me disse nada disso.
Nada naquela sala me atraía. Por ser nos fundos de uma igreja pequena, a saleta era fria, mal iluminada e não tinham muitos "alunos". As apostilas eram finas, com apenas algumas páginas com ilustrações em preto e branco. Isso já faz mais de vinte anos, por isso não me recordo muito bem do conteúdo das aulinhas. Só me lembro que não sabia porque estava ali. Apenas ia. Tanto é que frequentei apenas por um mês aproximadamente e a minha mãe também não fez muita questão que eu continuasse.

Enfim, o que quero dizer é que demorei muito para entender o que é rezar e como fazer aquilo. Como chamar a atenção de Deus para minhas preces se, provavelmente, Ele tivesse que, naquela mesma hora, ouvir e atender a milhares de pessoas? E, com certeza, pessoas mais crentes do que eu, mais fiéis e devotas. Será que ele ouviria a minha voz ou seria de uma outra forma? Eu não conseguia abstrair isso, não entendia como uma Pessoa (eu achava que Deus era uma pessoa poderosa) poderia me ouvir. E mesmo se ouvisse, porque me atenderia se só rogava por Ele nos maus momentos? Também demorei para entender o quê ou quem era Deus. Talvez, por ter sido uma criança que não aprendeu a frequentar a igreja desde pequena, demorei muitos anos da minha vida para confiar em quem não conseguia ver e entender que o ato de rezar era muito mais do que se ajoelhar e pedir alguma coisa com os dedos entrelaçados entre si.
Hoje, entendo que a reza é uma conversa com Deus onde podemos Lhe agradecer pelas graças alcançadas, pelos momentos maravilhosos em nossa vida ou pedir orientação e força interior. A vida me ensinou a compreender quem é Deus. Para mim, Ele está em tudo que é perfeito, por exemplo: na perfeita sintonia do sol e da lua, no perfeito ciclo do nosso ecossistema e na imbatível e inevitável lei da ação e reação (que ocorre não só com os homens, mas com a natureza também). Ele está nos nossos corações no exato momento em que nos sentimos prontos para perdoar alguém e está no milagre da vida, enfim, Deus não é uma pessoa poderosa como imaginava na infância. Ele está e é tudo ao mesmo tempo, consegue ouvir ao chamado de todos e é justo.

Chamado de injusto por muitos, o tempo é o Seu melhor aliado e mostra que escrever certo por linhas tortas rasga os nossos corações no começo, porém nos devolve a paz merecida na hora certa.
Ele não vai deixar de te ouvir só porque você não está rezando em uma igreja. Se sua prece for feita com o coração puro, se seu arrependimento for sincero, se seu pedido for feito com fé e se seu agradecimento a Ele por alguma coisa for feito com muita vontade e gratidão de verdade, Ele sempre te ouvirá, independente do lugar que esteja. Rezar é acreditar no poder de Deus e não pedir duvidando, pagando pra ver. Deus não precisa provar nada a você. Lembre-se disso. Confie.

Leia também:
Minhas primeiras impressões me enganaram

4 comentários:

Meus Pensamentos disse...

Lindo seu poste Flávia.
Deus na sua onipresença e oniciência não está limitado a lugares, muitas vezes nós o limitamos; e pode isso? Sim! Temos livre árbitrio, ele só entra em nossa vida se deixarmos...
Bjs amiga!
Boa Noite...
Mila

Clube da Nécessaire disse...

Oi Flávia! Como vai?

Muito bom te ver por lá! Obrigada pela visita!
Nosso email para contato é clubenecessaire@gmail.com

Um beijo
Amanda

Franciele disse...

Oi Flávia! Eu já estou seguindo você! =D
Logo respondo o email! Beijos!

Dado Moura disse...

Oi Flavia, passei por aqui por meio de um daqueles acasos proporcionado pelo google :) Gostei de conhecer um pouco a respeito de suas ideias. Parabens.

Dado Moura