2 de jan de 2010

Você gosta de receber mensagens automáticas?


Clique aqui para ver mais Imagens. - Adoro Mensagens 
O que mais recebi nesses últimos 3 meses foram mensagens automáticas daquelas que vem com animação, glitter, bichinhos e frases sobre amor, amizade, saudade, etc. Realmente as frases são lindas, mas foram escritas por quem? Foram mensagens fabricadas em série para serem copiadas e coladas no blog ou nos scraps do nosso orkut. Frases bonitas e sentimentais sempre são escritas por pessoas inspiradas em algum momento da vida, mas quem são elas? Onde moram? Não as conhecemos e muito provavelmente nunca as conheceremos. Isso faz com que a mensagem chegue de forma fria à nós por mais que um amigo a escolha com carinho no meio de milhares e decida enviar para alegrar o nosso dia. O nosso amigo ou familiar apenas copiou e colou a mensagem, não saiu nada do seu próprio coração ou mente.

Quem nos envia essas mensagens automáticas sempre tem a melhor das intenções, mas não podemos comparar uma mensagem automática que é enviada para 50 ou mais pessoas simultaneamente com uma simples mensagem escrita de coração só para você, exclusivamente. Também não condeno ninguém por enviar essas mensagens generalistas porque sei perfeitamente que hoje em dia vivemos num mundo cão em todos os sentidos. Ninguém tem tempo para nada, as mulheres trabalham fora e quando chegam em suas casas dão banho nos filhos, preparam o jantar e algumas até fazem baito, cuidam dos maridos, etc etc etc..... Embora tenhamos todos esses motivos plausíveis e que justificam a adesão a esse novo modelo de comunicação, também temos que nos conscientizar que, desta forma, acabamos assumindo uma parcela de responsabilidade na crescente falta de comunicação direta com as pessoas que mais gostamos ou amamos.

Eu mesma tento me policiar, esporadicamente me pego enviando uma mensagem dessas para alguém da minha família, principalmente por falta de tempo, apesar de não aprovar tal atitude. Olha só: antigamente mandávamos cartas ou telefonávamos para nos comunicar. A pessoa recebia uma carta com a nossa letra e até com nosso perfume ou podia ouvir a nossa voz pelo telefone. Depois da internet, vieram os e-mails que dominaram o mundo por dois motivos: chegavam mais rápido aos destinatários e nos faziam economizar com selos de envio.

Ninguém mais conhece ninguém pela letra e o número de cartas que temos guardadas nas nossas caixinhas no guardarroupa não aumenta. Nossos bisnetos ou tataranetos não saberão o que é uma carta? Como será? Quanto ao futuro não podemos responder, mas atualmente o mundo está assim. O que fazer? Bom, talvez tentar intercalar as mensagens automáticas que são apenas bonitas (não transmitem emoção) com aquelas escritas por você com muito carinho para uma pessoa especial.

3 comentários:

gigi disse...

oi Flavia ,nossa vc tem toda razao faco minhas as suas palavras .tambem nao gosto de receber ,menssagens automaticas acho frio demais!!!!meu esposo e meus filhos tambem detestam!!!!rsrrsr com certeza preferimos rceber uma menssagem escrita de coracao e exclusiva para a gente ,alias quando vc me escreve amo demais fico tao feliz em saber que vc gastou o seu precioso tempo comigo.hoje ja posso dizer que amo vc como a uma irma, bjs querida !!!!

Adriana Alencar disse...

Não sou saudosista com as cartas, mas também não aprecio as mensagens automáticas, especialmente se cheias de bichinhos... É como você disse, são impessoais... Porém, se alguém tem dificuldade de expresão e se declara desta forma, tenho de valorizar a intenção por trás e acatar sem muito questionamento.
Bj
Adri

Tuka Siqueira disse...

Caratas guardadas em caixinhas no guarda roupa? Isso é coisa do século passado. Já não recebo uma há pelo menos 15 anos...

Sinto falta dessa coisa individual e específica, feita sob medida, especialmente para mim. Mas os tempos são outros. Naquela época, telefone celular estava recém surgindo e a internet ainda era coisa de grandes empresas ou gente muito rica, era a forma de comunicação que tínhamos. Hoje temos outras tantas, muito mais rápidas e eficazes, mas também muito impessoais...

Abraços